sábado, novembro 16, 2002


duas músicas para a minha ausência:

"Você atravessando aquela rua vestida de negro
E eu te esperando em frente a um certo Bar Leblon
Você se aproximando e eu morrendo de medo
Ali, bem mesmo em frente a um certo Bar Leblon
Quando eu atravessava aquela rua morria de medo
De ver o teu sorriso e começar um velho sonho bom
E o sonho, fatalmente, viraria pesadelo
Ali, bem mesmo em frente a um certo Bar Leblon
Vamos entrar
Não tenho tempo
O que é que houve?
O que é que há?
O que é que houve meu amor,
Você cortou os seus cabelos
foi a tesoura do desejo
Desejo mesmo de mudar"
(alceu valença)

"Espere por mim, morena
Espere que eu chego já
O amor por você, morena
Faz a saudade me apressar
Tire um sono na rede
Deixe a porta encostada
Que o vento da madrugada
Já me leva pra você
E antes de acontecer
O sol a barra vir quebrar
Estarei nos teus braços
Para nunca mais voar
E nas noites de frio
Serei o teu cobertor
"Quentarei" o teu corpo
Com meu calor
Ah, minha santa, te juro
Por Deus, Nosso Senhor
Nunca mais minha morena
Vou fugir do teu amor
Espere por mim, morena
Espere que eu chego já
O amor por você, morena
Faz a saudade me apressar"
(gonzaguinha)






não, não esganei nenhum deles... mas faltou pouco. ainda mais porque o meu humor não é tão bom nas vésperas das minhas voltas ao exílio.


esse comentário se deu por conta da sessão de cinema que fui assitir hoje à noite... tinha um grupo de pré adolescentes na fila da frente... e eu cheguei a achar herodes natural.



gosto de crianças... mas a partir dos oito anos, só mesmo pai e mãe têm obrigação de aguentar... depois daí só volta a ser suportável lá para os 24, 25 anos...





Alice - Casamento?

Mário - Eu tive umas namoradas como todo mundo. Mas elas foram muito compreensivas porque acabaram casando com outros para preservar minha independência. O que eu gosto, mais que tudo, é da minha independência.

Alice - Poesia?

Mário - A poesia não se entrega a quem a define. Mas para mim é uma coisa louca. A diferença entre um poeta e um louco é que o louco não sabe que é louco e o poeta sabe. A poesia é uma loucura lúcida.

Alice - Tesão?

Mário - O que é isso? Isso é da idade. Agora, aos 84 anos, só pode ser sinônimo de saudade.

alice ruiz entrevista mário quintana - aqui tem mais


existe alguém que goste do gerald thomas? só por curiosidade...

já que citei manoel de barros ali embaixo, outra dele aqui em cima:

"O artista é um erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito"

o maior apetite do homem é desejar ser, já disse o padre vieira. e aristóteles tinha razão quanto à felicidade. tem mais presença em mim o que me falta, escreveu manoel de barros. essa discussão surgiu quando, num seminário, formamos um grupo que tinha que conceituar "felicidade". tarefa impossível. mas foi divertido.


Protegido, mas não tanto

"A personalidade esquizofrênica da indústria tem disso. Se a disputa entre Phillips e as gravadoras se aguçar, elas tem uma solução aparente, que é passar para o padrão DVD-Áudio. Não será uma mudança fácil, pois o CD já tem uma cultura estabelecida, seus players são baratos e vários. Além do mais, o argumento inicial das gravadoras – impedir cópias – não vai ser resolvido. Vão começar a ficar mais comuns os gravadores de DVD e tudo ficará como dantes. "

pedro doria - no mínimo


cena que fez o meu final de semana inesquecível:
a minha sobrinha de três anos de idade cantando para mim (ela sabe cantar - e cantou - a música toda!!):

"deixa eu dizer que te amo...
deixa eu gostar de você
isso me acalma,
me acolhe a alma,
isso me ajuda a viver..."

quem é que não chora diante de um quadro desses??



"Um dia... pronto!... me acabo.
Pois seja o que tem de ser.
Morrer que me importa?... O diabo
É deixar de viver!"
(mário quintana)



essa semana lula esteve aqui... veio (também) falar na convenção nacional dos advogados. salvador foi a capital em que lula obteve a maior porcentagem de votos. aliás, aqui em salvador, todos os candidatos (governo e senado) do pt ganharam (só não levaram por conta da votação no interior do estado)... a visita (dizem) foi por conta disso também. bem, diante disso e da posição da maioria da população soteropolitana em relação ao pfl e ao governo atual (contrária), não acho que tenha sido de bom tom a primeira visita do presidente eleito em terras baianas ser ao governador, na sua residência oficial. sei lá, o sentimento é um pouco de traição. ele nem é presidente ainda... não precisa fazer visita oficial. fhc, que fez aliança com o pfl, nunca visitou o palácio de ondina nas poucas vezes em que esteve por aqui... acho que a gente podia ter passado sem essa.



mais um dia lindo, maravilhoso... vai dar praia...

sexta-feira, novembro 15, 2002



agora já temos comentários!!! foi o beto que fez...

...

quinta-feira, novembro 14, 2002


por fim, para terminar com alguma coisa que faça valer a pena a visita:

velha história

"Era uma vez um homem que estava pescando, Maria. Até que apanhou um peixinho! Mas o peixinho era tão pequenininho e inocente, e tinha um azulado tão indescritível nas escamas, que o homem ficou com pena. E retirou cuidadosamente o anzol e pincelou com iodo a garganta do coitadinho. Depois guardou-o no bolso traseiro das calças, para que o animalzinho sarasse no quente. E desde então ficaram inseparáveis. Aonde o homem ia, o peixinho o acompanhava, a trote, que nem um cachorrinho. Pelas calçadas. Pelos elevadores. Pelos cafés. Como era tocante vê-los no "17"! - o homem, grave, de preto, com uma das mão segurando a xícara de fumegante moca, com a outra lendo o jornal, com a outra fumando, com a outra cuidando o peixinho, enquanto este, silencioso e levemente melancólico, tomava laranjada por um canudinho especial...

Ora, um dia o homem e o peixinho passeavam à margem do rio onde o segundo dos dois fora pescado. E eis que os olhos do primeiro se encheram de lágrimas. E disse o homem ao peixinho:

'Não, não me assiste o direito de te guardar comigo. Por que roubar-te por mais tempo ao carinho do teu pai, da tua mãe, dos teus irmãozinhos, da tua tia solteira? Não, não e não! Volta para o seio da tua família. E viva eu cá na terra, sempre triste!...'

Dito isto, verteu copioso pranto e, desviando o rosto atirou o peixinho n'água. E a água fez um redemoinho, que foi depois serenando, serenando... até que o peixinho morreu afogado..."
(mário quintana)




mais uma visita... ela passou por aqui... vamos fazer uma festa regada a acarajé e tapioca... porta aberta, boca livre, se acomode, por favor :o)


eu tenho fé. vai chegar o dia em que nós, pobres mortais, nos desvencilharemos dos cartões de crédito e das prestações... a dignidade da pessoa humana só vai ser alcançada no dia que todo mundo puder comprar tudo à vista...


o telefone acabou de tocar. fui atender e era a gravação da telemar oferecendo linha de graça (se linha da telemar fosse coisa boa não ofereciam de graça)... acho que agora fazem isso de marketing com mensagem gravada por que estavam ouvindo muito desaforo...




sabe aquela música, "smile", do charles chaplin? quando eu era criança, que ouvia, ou o original ou a versão, eu chorava... até hoje, quando ouço, fico um pouco angustiada... tava tocando há pouco... sei o que é isso não...

comentário com um pouco de atraso, devido as circuntâncias, mas essa dra.havanir... ficou esse clima de "ooohhh!!! a dra. havanir, hein?? quem diria..." não entendi nada...

fala sério... alguém aí se surpreendeu, realmente?



pare um minuto. agora pense no que vc está lendo. sim, vc está aí parado(a), na frente do computador, lendo um blog.

blog... que nome horroroso, nénão??



eu quero muito ter filhos. Na verdade, o meu plano inicial era ter quatro filhos. mas, depois que a gente sai da casa do papai e começa a pagar as nossas próprias contas, a visão do mundo muda, a conversa muda (há três anos atrás, por exemplo, eu não me imaginaria conversando sobre o custo de vida! conversa mais dona de casa, essa)... aí sobrou para os meus pimpolhos... também tem a questão da super população mundial, controle de natalidade, tenho que fazer a minha parte... pois bem... hoje penso em ter três filhos. mas também posso casar com um multimilionário e aí não vejo problemas em montar um time de futebol (com os reservas)... uma coisa eu sei. se depender de mim, um filho só eu não vou ter não... sou contra filhos únicos...


ainda sobre o assunto filhos, acho que eu serei uma boa mãe. daquelas participativas... que brinca, joga bola, canta, grita... quando eu estou em festa de criança, por exemplo, tenho que tomar cuidado, senão saio apontada como “aquela maluca que não saía do pula-pula e dançava alucinadamente com as crianças”... só tem um problema: não vou ter moral para mandar meus filhos comerem verduras e legumes. hoje, por exemplo, almocei uma vasilha cheia de pipoca doce com um copão de coca-cola...



feministas de plantão, tremei! farei agora uma declaração bombástica que significa um retrocesso nas conquistas femininas dos últimos anos. lá vai: tirando a parte de achar bonito não ter o que comer (aí também é demais também) eu sou uma amélia! não, na verdade não sou... mas que eu tenho uma amélia dentro de mim, só esperando uma chance para vir à tona, isso eu tenho...



o que uma pessoa quer dizer quando fala que outra é assim, super gente? hoje eu tive que ir conversar com uma criatura e, antes de encontrá-la, ouvi o seguinte comentário: “você vai gostar dela... ela é assim, super gente”. bem... não sei bem o que pensar, mas, a princípio, ainda bem, né? pelo menos vamos poder estabelecer comunicação, porque eu, ao contrário de francisco de assis, ainda não sei conversar com bicho.



eu gosto muito da mafalda, do quino. gosto muito mesmo. essa semana estava conversando com um “pseudo-intelectual” (daqueles que ouviram o galo cantar e não sabem onde, lêem a orelha do livro e se sentem phd no assunto e coisas assim – em tempo, não sou intelectual, mas reconheço isso e não finjo que sou) e, já chateada com a conversa, querendo gritar e sair quebrando tudo, mas mantendo a calma, lembrei de uma tirinha dela (mafalda):

visualizem (é mais ou menos assim, conto como consigo lembrar):

mafalda está conversando com a suzanita, sua amiguinha fútil.

quadrinho 01 – mafalda fala – quando eu crescer quero ter muita cultura

quadrinho 02 – suzanita fala – quando eu crescer quero ter muitos vestidos

quadrinho 03 – mafalda fala – o que é isso, suzanita, a cultura é muito mais importante que vestidos!!

quadrinho 04 – suzanita fala – ah, é? Se vc sair na rua sem cultura algum guarda vai prender vc?

Mafalda responde: não.

quadrinho 05 – suzanita fala – experimenta sair sem vestido pra vc ver...





se controle aí em cima que amanhã eu vou pra praia!

este foi um “post-recado” para são pedro.




cheguei

;o)



segunda-feira, novembro 11, 2002


mantra para passar uma semana mais tranquila:

segunda divisão não é o fim do mundo
existem coisas piores do que a segunda divisão
segunda divisão não é o fim do mundo
existem coisas piores do que a segunda divisão
segunda divisão não é o fim do mundo
existem coisas piores do que a segunda divisão

o meu poder de auto convencimento não é mais o mesmo...



aderindo à campanha lançada pelo leite de pato:


eu também odeio o diogo mainardi!!!

e não vou colocar a foto daquele pernóstico no meu blog não, porque este é um blog simples mas é limpinho!






ah! uma piadinha rápida que recebi hoje por e-mail...

Uma mulher vai seguindo de carro numa estrada.
Um homem vem na mesma estrada, no sentido oposto.
Ao cruzarem-se o homem baixa o vidro e grita: - VAAAAAACA !!!!
A mulher imediatamente baixa o vidro e responde: - COOOORNO!!!
Cada um continua o seu caminho,
A mulher, que vai sorridente, ao virar a primeira curva, bate direto em
uma gigantesca vaca deitada no meio da estrada.
Moral da história: "As mulheres nunca percebem o que os homens querem dizer."


prá todo mundo que me escreveu (colocar "todo mundo" faz parecer tanta gente!!), responderei na quinta-feira, quando chegar em casa, tá? agora não dá porque o tempo, literalmente, é dinheiro... odeio esse mundo usurário em que vivemos!! :o)
fato que me deixa feliz por estar fora da capital: está ocorrendo a convenção nacional de advogados!! mais de 5000 (cinco mil!!!) advogados perambulando pela minha cidade... pela primeira vez me sinto melhor estando no exílio...